Web Mail Web MailWeb Mail
Aceitamos:
           17 de Dezembro de 2018, Taubaté | (12) 3632 2061 / (12) 99154-5195

Terapia Ocupacional


É um campo de conhecimento e de intervenção em saúde, educação e na esfera social, reunindo tecnologias orientadas para a emancipação e autonomia de pessoas que, por razões físicas, sensoriais, mentais, psicológicas e/ou sociais apresentam temporariamente ou definitivamente dificuldade de inserção e participação na vida social.

A atuação do Terapeuta Ocupacional está intimamente ligada ao fazer humano, entendendo este como um espaço potencial, criador e produtivo. Portanto, ao lançarmos mão de atividades e recursos terapêuticos temos a intenção de criar espaços onde se possa compreender o sujeito e seu cotidiano, a fim de promover maior independência e qualidade de vida aos sujeitos.

Avaliação Funcional e Desempenho Ocupacional: ao longo do desenvolvimento nos é requisitada a habilidade para desempenhar tarefas de forma a completar os papéis ocupacionais (estudante, pai/mãe, filho) de forma satisfatória. Capacidade funcional é o aspecto fundamental no conceito de independência, que facilita a realização de atividades cotidianas, das simples as mais complexas, estas são indicadores relevantes para avaliar a funcionalidade de um indivíduo, ou seja, se ele está apto ou não para realizar as atividades e papéis ocupacionais que lhe serão solicitadas.

Integração Sensorial e Avaliação: a terapia de integração sensorial busca integrar todos os sistemas sensoriais (visual, auditivo, gustativo, olfativo, tátil, vestibular e proprioceptivo), com maior destaque para o vestibular e tátil. Através da avaliação é possível mapear dificuldades ou resistências sensoriais do sujeito, a fim de propor intervenções individualizadas para melhor consciência corporal, adequação ao ambiente e facilitação da aprendizagem.

Terapia Ocupacional Cognitiva: o modelo de reabilitação cognitiva em T.O visa melhorar a participação das pessoas com prejuízos cognitivos em suas tarefas diárias e sua cognição social. Unindo os três fatores das funções executivas: controle inibitório, memória de trabalho e flexibilidade cognitiva, observa-se que elas estão relacionadas a ter autocontrole, atenção seletiva e sustentada, manipular mentalmente ideias, relacionar ideias atuais e anteriores, mudar perspectivas e adaptar-se a mudanças.